cachorro abandonadoPreocupados com os animais abandonados, várias entidades criaram projetos de adoção e cuidados com os pobres bichinhos. O grande problema é que muitas pessoas não se sentem confortáveis em adotar um animal já adulto, ou que já passou por muitos traumas, com medo do que ele pode vir a fazer em seus lares.

Tal generalização é um grande erro, pois alguns animais, por mais velhos e maltratados que sejam, podem se adaptar ao novo lar. Cabe também à disposição e carinho que o dono oferece ao animal.

Outra noção que as pessoas têm é que cães mais velhos já tem uma personalidade formada, e assim, se for agressivo ou problemático, não poderia mudar. Essa afirmação não é necessariamente verdadeira.

A educação dada ao cão teria que ser mais paciente, mas não pode-se dizer que é impossível um animal mudar. Nesse caso, caberia a vontade e dedicação de ambas as partes.

Quanto às doenças adquiridas nos abrigos, depende da higiene do local. Se for um abrigo mal administrado, as chances da higiene ser precária é alta. Cabe ao interessado verificar o abrigo, como os animais são tratados e sempre levar ao veterinário antes da possível adoção. Mesmo que não tenha nenhuma doença, é sempre bom ser prevenido e o animal também merece esse cuidado.

Mas o que muitas clínicas veterinárias tem sofrido com o tempo é o abandono de animais pelos próprios donos. Já foram encontrados animais em caixas de papelão em frente às clínicas, ou os donos levam os animais à clínica veterinária, mas preenchem informações falsas nas fichas, deixando impossível de localizar o dono para buscar o animal.

Em casos como esses, o tempo em média é de no máximo um mês para o animal ficar nas clínicas. Se após isso, ninguém tentar buscar, os veterinários colocam os animais para adoção.

Além das clínicas veterinárias, os abrigos para animais também sofrem com o abandono, pois muitos acham que se achar um animal abandonado, só basta levar para um abrigo e lá eles que cuidem dele.

Muitos abrigos já sofrem com a superlotação e, em alguns casos, não tem espaço para receber nenhum animal. A recomendação é que quem encontrou os animais, cuide dele até conseguir achar alguém que o adote. Se a residência ou tempo não for disponível, pode deixar aos cuidados da clínica veterinária, mas arcando com os custos.

Não se pode ter a ilusão de que apenas vira-latas vão parar em abrigos. Muitos animais de raça, e que custaram caro, também tem o risco de serem abandonados. O dono precisa entender que um animal não é um brinquedo, não desliga e liga a hora que quiser e é adorável em todos os momentos. Tem os momentos negativos, como doenças, alimentação, higiene e qualquer tipo de cuidado que possa exigir, então cabe ao futuro dono ter a consciência disso antes. Por isso, muitos abrigos irão analisar os futuros donos e julgar se são aptos a adoção, para o animal não ser abandonado mais uma vez.

A sorte dos bichinhos abandonados são essas pessoas com espírito voluntário. Ao invés de comprar um cão que provavelmente custará caro, estar aberto para adoção de animais abandonados, que merecem carinho e atenção como qualquer outro animal.